13 reasons why e baleia azul: SOS Saúde Mental!

CRIANÇAS E ADOLECENTES - 13 REASONS WHY - BALEIA AZUL - SAÚDE MENTAL

Precisamos falar sobre a educação emocional das crianças e adolescentes!

Entre tantos infelizes eventos nesses últimos dias, precisamos falar sobre a saúde mental das crianças e adolescentes!

Antes a famosa série 13 Reasons Why, que aborda a questão do suicídio de uma adolescente que sofria bullying na escola, depois o tão falado Jogo da Baleia Azul, o qual todos os dias nos deparamos com inúmeras reportagens na timeline do Facebook!

A adolescência é uma fase complicada, pois é a fase das mudanças físicas e psicológicas. O corpo muda e a mente muda. Até então éramos crianças, dependentes, sempre tínhamos alguém para solucionar nossos problemas, pensar e planejar por nós.

De repente, essa identidade não nos pertence mais. Começam a nos dizer que estamos crescendo, que precisamos aprender a ser independentes, a resolver nossos problemas sozinhos.

Na escola, cada um tem seu grupo de amigos, geralmente grupos diferentes. Tem os nerds, tem os mais alternativos, os mais arrumadinhos e assim por diante… Mais uma função para o adolescente: identificar a qual grupo pertence e, principalmente, ser aceito a esse grupo!

Muitas vezes, alguns adolescentes fazem coisas que não consideram corretas e acabam por se envolver em situações de risco, apenas para se sentir parte de um grupo social.

Mas, não diríamos que isso é o pior. O pior é quando o adolescente não consegue se encaixar em nenhum grupo e sente sozinho. O pior é quando o adolescente é excluído pelos colegas. O pior é quando o adolescente chega em casa e não tem espaço para compartilhar esses sentimentos com os pais, pois na correria do dia a dia, eles não tem tempo para esses “pequenos problemas”.

Nesse momento, o Jogo da Baleia Azul é tentador, pois infelizmente existem pessoas muito más no mundo e existem pessoas doentes também, como psicopatas, e esses investem tempo para alcançar esses jovens fragilizados.

Bom, como falamos no primeiro parágrafo, esse texto não é apenas sobre adolescentes, é sobre a saúde mental das crianças também, afinal, existe a infância que antecede a adolescência, e a maneira como esta é conduzida, vai refletir na fase seguinte, que é a adolescência.

Por isso, é muito importante ensinarmos as crianças a identificarem e a lidarem com suas emoções e seus sentimentos.

É importante frustrar as crianças, ensinando-as o que é certo e errado, para elas não se frustrarem tanto na adolescência, quando algum amigo o rejeitar, quando um parceiro o rejeitar.  É importante ensinar as crianças a conversar e não apenas exigir que, quando adolescentes, eles criem esse hábito. É importante construir um espaço em família onde se possa falar sobre os sentimentos, de uma forma tranquila, desde a infância.

Ajudar as crianças a nomear o que estão sentindo e mostrar a elas que esses sentimentos fazem parte da vida e que eles podem contar com vocês, pais, a qualquer momento.

Uma criança criada em um ambiente no qual valoriza seus sentimentos e aprende a identifica-los tem mais chances de ter uma melhor inteligência emocional. Isso não quer dizer que não será atingido pelo turbilhão de sentimentos que perpassam a adolescência, mas isso quer dizer que ele provavelmente vai vivenciar essa fase lembrando que tem o apoio da família, terá mais facilidade para lidar com as dificuldades que aparecerem no seu caminho e, caso passe por algum momento mais frágil, possivelmente se sentirá mais a vontade de procurar os pais.

Além disso, pais que se mantem próximos dos sentimentos dos filhos desde a infância, também podem ter mais facilidade de perceber mudanças de comportamento na adolescência. Então, a saúde mental acompanha o ser humano em todas as fases da vida! A procura de tantos jovens por esses jogos e o índice de suicídio que tem aumentado bastante entre eles, é um alerta!

Precisamos preparar as crianças para a adolescência, precisamos pensar por que eles estão se sentindo assim. Além disso, o mundo está precisando de pessoas mais sensíveis e mais empáticas com a dor do outro, pessoas capazes de não julgar, mas sim de estender a mão, olhar para o lado e notar que seu amigo não está bem.

Essa educação emocional começa na infância. Dê amor ao seu filho e cuide bem da saúde mental dele! Ensine-o a  reproduzir esse comportamento e quem sabe assim, conseguimos mudar os números referentes ao suicídio na próxima geração de adolescentes!

Crianças e adolescentes tem voz, tem vontades e tem direitos! Merecem ser ouvidos, cuidados e respeitados!


Veja outros posts já publicados aqui das psicólogas Natana e Paola:

Abuso infantil – 15 formas de reconhecer sinais de abuso em crianças e bebês
Como lidar com os medos infantis
Autismo – Por dentro do mundo Azul
Pai não é acessório!
UM TAPINHA DÓI SIM! Como lidar com a agressividade infantil
O seu NÃO também é um ato de amor!
Como lidar com o uso das tecnologias na infância – Permitir ou Proibir?
Menos Play e mais Era uma vez… – A importância da leitura na infância
Meu filho é tímido, e agora?
Separação e filhos, como lidar?
BULLYNG infantil: Quando a brincadeira NÃO tem graça!
Um aperto chamado Saudade: como lidar com o luto infantil

 


Siga o A Mãe Coruja e o E ai Psicologas? no Instagram  para acompanhar diversas dicas: www.instagram.com/amaecoruja e www.instagram.com/eaipsicologas

Author: Paola Richter e Natana Console

Natana Consoli é psicóloga e psicoterapeuta de adultos, casais e família e Paola Richter é psicóloga e psicoterapeuta de crianças e adolescentes. Ambas trabalham fazendo avaliação psicológica e prestando avaliação em instituições de educação infantil.

Share This Post On

Deixe uma resposta