Como lidar com o uso das tecnologias na infância – Permitir ou Proibir?

tecnologias-na-infanciaAs crianças estão cada vez mais cedo aprendendo a desbloquear os celulares, tablets, notebooks e etc, é comum hoje em dia que eles mal saibam contar até cinco, mas já tenham decorado nossa senha de acesso, em um mundo cada vez mais tecnológico o que fazer?

Quem nunca recorreu ao vídeo da peppa ou as músicas da galinha pintadinha no youtube? Não estamos aqui para fazer qualquer tipo de julgamento ou colocar um grande aviso de “proibido” nos equipamentos tecnológicos, pelo contrário, a resposta que trazemos para o nosso título é:  equilíbrio e supervisão!

Estudos brasileiros apontaram que mais da metade das crianças do nosso país, entre seis e nove anos, já possuem perfil no facebook (mesmo a rede social sendo para maiores de 18 anos) e 97% de nossas crianças fazem uso diário de internet. Além do risco do uso sem supervisão de um adulto (infelizmente ainda vemos diversos casos de pedofilia neste contexto), a exposição cada vez mais cedo já foi comprovadamente relacionada à altos índices de déficit de atenção, impulsividade, dificuldade de aprendizagem e obesidade (por passarem a maior parte do dia sentadas jogando e/ou olhando vídeos).

Baseado nestes e em diversos estudos sobre o tema, a Sociedade Canadense de Pediatria juntamente com a Academia Americana de Pediatria, construíram alguns parâmetros para os pais sobre o uso de todo tipo de mídia (celular, tablet, TV, vídeo-game, etc.). Segundo estes:

  • Até os dois anos de idade, as crianças não deveriam ser expostas, pois nessa faixa etária as aprendizagens se dão através dos sentidos a criança precisa tocar, sentir o cheiro, textura, sabor, e o mundo virtual não lhe oferece este tipo de experiência;
  • Dos dois aos cinco anos, no máximo uma hora diante destes;
  • Dos seis aos 12 anos, o tempo passa a ser de duas horas por dia;
  • Dos 13 anos em diante, máximo de três horas por dia.

Sabemos que as crises de birra podem surgir quando o controle acontece, então procure ofertar outras opções as crianças, se mostre disponível a participar de outras brincadeiras e lembre-se: o exemplo é a melhor lição: de nada adiantará controlar o uso dos pequenos se o papai e a mamãe passam horas no sofá conectados. Os pequenos precisam de atenção! Que tal retomar as brincadeiras do tempo que você era pequeno? Estimular a imaginação das crianças com brinquedos mais simples são ótimas opções para curtirem um  momento em família.

Para os maiorzinhos, o diálogo é sempre o melhor caminho, explicar os perigos de se expor (os famosos “nudes”), de conversar com desconhecidos, de acessar conteúdo impróprio a idade, divulgar detalhes como: onde mora, onde estuda e quais locais frequenta, pois estão são os grandes vilões nessa idade. Utilizar os equipamentos eletrônicos nos locais comuns da casa, nada de senhas ou portas fechadas para dificultar a supervisão dos pais. Mostre-se disponível para esclarecer as dúvidas, sugira algumas opções que são permitidas e bloqueie aquelas que não são convenientes. Outro aspecto que deve ser lembrado para ambas as idades é o momento no qual a criança utilizará o equipamento, por apresentar diversos estímulos visuais a criança, este pode trazer prejuízo no sono quando usado na cama ou nos minutos que antecedem o período de sono.

Atualmente contamos com diversos aplicativos direcionados ao público infantil, que auxiliam no aprendizado de cores, formas, números e letras de uma maneira divertida e interativa! Aposte nesse tipo de aplicativo, vídeos mais curtos que possam servir como introdução a uma brincadeira: podemos desenhar a história, criar um novo fim, fazer os personagens de massinha de modelar e por ai vai…

Como vocês estão administrando aí na sua casa? Conta pra gente!

Beijos


Veja outros posts já publicados aqui das psicólogas Natana e Paola:
Menos Play e mais Era uma vez… – A importância da leitura na infância
Meu filho é tímido, e agora?
Separação e filhos, como lidar?
BULLYNG infantil: Quando a brincadeira NÃO tem graça!
Um aperto chamado Saudade: como lidar com o luto infantil


Siga o A Mãe Coruja e o E ai Psicologas? no Instagram  para acompanhar diversas dicas: www.instagram.com/amaecoruja e www.instagram.com/eaipsicologas

Author: Paola Richter e Natana Console

Natana Consoli é psicóloga e psicoterapeuta de adultos, casais e família e Paola Richter é psicóloga e psicoterapeuta de crianças e adolescentes. Ambas trabalham fazendo avaliação psicológica e prestando avaliação em instituições de educação infantil.

Share This Post On

2 Comments

  1. Muito bom. Vou compartilhar com minhas amigas obg!!

    Post a Reply
  2. Adorei o Post .. aqui o Gui usa para jogar, ver vídeos, mas estamos Señor acompanhando e quando achamos que não é apropriado explico o pq desse ou aquele não.

    Bjs Mi Gobbato

    Post a Reply

Deixe uma resposta