A fórmula mágica da maternidade

a-formula-magica-da-maternidade - GRAVIDEZ - MATERNIDADE - GESTANTE

Será que existe um único jeito para criar filhos? Será que existe uma única maneira de maternar? O post de hoje é uma reflexão sobre essa fórmula mágica que muita gente nos trás, mas que na realidade não existe. (imagem daqui)

Já começo esse post deixando bem claro que não, não existe a fórmula mágica da maternidade, pois não existe apenas um jeito certo de maternar, não existe apenas uma maneira de ser mãe e não, não existe mágica no mundo inteiro que vá fazer com que a maternidade seja mais fácil, simples ou menos complexa do que ela é.

Já faz um tempo que tenho visto milhares de matérias sobre a melhor forma de se educar, criar, tratar e até mesmo colocar nossos filhos pra dormirem. E como eu sempre gosto de ressaltar, o que funcionou aqui em casa nem sempre funcionará ai na sua casa. Claro que eu adoro compartilhar experiências, pois muitas vezes nossas dúvidas, medos e angústias são as mesmas, mas isso não quer dizer que minha forma de levar a maternidade seja a correta, longe de mim crer que existe apenas um único jeito de se criar filhos.

A matéria atual que mais vejo sendo compartilhada é a de uma pesquisa realizada pela Academia Americana de Pediatria de que os bebês devem dormir no quarto dos pais até os 12 meses para que assim tenham um sono seguro. Longe de mim criticar quem faz cama compartilha, até porque eu fiz com Clara e Caio e se achar necessário farei com Olívia também, essa na realidade não é a questão aqui.

O que me incomoda é ver a quantidade de métodos científicos, estudos e regras que vem surgindo a cada dia na maternidade, de como criar filhos de forma perfeita.

Mas existe mesmo uma fórmula perfeita e única pra a criação dos nosso filhos?

Vejam quão difícil e duro é para uma mãe que trabalha fora ter que ler matérias do tipo: “mães que abandonam o emprego para criar filhos são mais felizes” . Para uma mãe que optou por ficar em casa: “mulheres são infelizes após abandonarem o emprego para cuidar dos filhos“. E para quem ainda não teve filhos ler uma matéria que diz “70% dos casais se separam após o nascimento do primeiro filho” é o começo do fim do sonho de se ter filhos.

Precisamos nos libertar dessa ideia de que certo é só quem faz de um determinado jeito, porque não é não. Certo é a forma como você cria seus filhos, e não importa se você faz cama compartilhada ou não, se você teve um parto normal ou não, se amamentou ou não, se trabalha fora ou não, se é empreendedora ou não. Nada disso importa.

Sua realidade te permite ficar em casa? Ótimo, fique se quiser. Sua realidade te permitiu ter um parto natural? Ótimo, mas lembre-se que essa não é a única forma de parir. Sua realidade te fez se tornar empreendedora? Que bacana, mas nem toda mulher/mãe quer isso pra si. Sua realidade te permitiu fazer cama compartilhada? Perfeito, mas essa não é a única forma de colocar crianças pra dormirem.

Então não julgue a realidade alheia e lembre-se: seus filhos, sua forma de maternar, seu jeito de se adaptar e de levar da melhor maneira possível o ser mãe. Não se incomode com o que os outros falam, não se incomode com quem acha que existe apenas um caminho para criar filhos felizes. E lembre-se: desconfie sempre de quem lhe impõe o “correto” sem nem se colocar no seu lugar.

Não existe apenas uma maneira para se criar filhos, não existe receitinha de bolo e nem uma fórmula mágica. Se não deu certo pra você, não quer dizer que não vá dar certo para as outras milhares de família. Então desapega, desapega de rótulos, regras e estatísticas porque se tem uma coisa que aprendi com a maternidade é de que criar um filho requer muito mais que apenas um punhado de números nos ditando qual a melhor maneira de sermos felizes.

Beijos

Author: Débora Nunes

idealizadora do amaecoruja.com, 31 anos, mãe da Clara, do Caio, e da Olívia! Entusiasta da maternidade real acredita que toda mãe deve se dedicar aos seus filhos sem deixar seus demais papéis (mulher, profissional, esposa, amiga, filha…) de lado.

Share This Post On

Deixe uma resposta