Meu filho é tímido, e agora?

MEU FILHO É TÍMIDO - CRIANÇAS TÍMIDAS - TIMIDEZ - TIMIDEZ INFANTIL

Meu filho é tímido, o que devo fazer? Lidar com crianças tímidas requer um pouco de atenção e carinho, veja no post de hoje dicas das psicólogas Natana Console e Paola Richter e saiba como lidar com essa situação. ( Image by © Vladimir Godnik)

O cenário a maioria das vezes é bem parecido, seja no jantar na casa de amigos ou na festa de final de ano com os familiares, todos conversando, rindo e brincando, vocês chegam e todos os olhares recaem para seu filho e sua família. “Nossa como você cresceu”, “Vem aqui dar um beijo na tia” ou “Vá brincar com seus primos”.

Frente a tantas falas, a única resposta do seu filho é correr para se esconder atrás de você e te deixar ali, tentando fazer com que ele responda às pessoas.

Bem-vindas ao universo da timidez.

Estas são apenas algumas das situações a qual as crianças podem ser expostas para que desencadeie tal reação. Muitos pais se perguntam se devem forçar a criança a se expor ou apenas deixá-lo quieto, afinal ele é tímido né?

No post de hoje, vamos discutir um pouquinho mais sobre a timidez e maneiras de auxiliar seu filho.

Para começar, vamos entender um pouco mais a identificar essa tal timidez! Seu filho sempre foi mais envergonhado, quietinho e apegado apenas as pessoas com quem mais convive? Então, provavelmente, ser tímido faça parte de suas características e precisaremos respeitar o seu tempo para se adaptar frente a situações novas, incentivando-o para que se sinta seguro a aventurar-se.

Porém, se a timidez aparece em crianças menores, mais ou menos próximo a completar o primeiro ano de vida, talvez estejamos falando de ansiedade de separação, quando a criança se sente insegura em separar-se dos pais. Aqui a questão é ter paciência, pois este temor tende a diminuir até os 2 anos de vida. Nesse período, de 1 aos 3 anos, talvez essa timidez não seja uma característica que seguirá com o seu filho, e sim apenas uma fase. Justamente por isso é importante lidar com tranquilidade, tentando compreender e incentivar seu filho a melhor maneira de lidar com tais situações.

Não faça com que isso vire um impedimento para os futuros passeios, pois quando crianças tímidas são forçadas, elas tendem a evitar cada vez mais situações de interação (dizer oi, tchau, dar um abraço/beijo, brincar, conversar).

Relaxe, afinal cada um de nós tem um jeito de ser! O que podemos fazer é ajudá-los, sem pressão, a sentirem-se mais amparados e seguro para se soltar. Aí vai algumas dicas:

  • Auxilie a se ambientar aos novos locais e quando perceber que ele já está mais à vontade, mostre onde você estará caso ele precise e vá se afastando aos poucos. Procure por lugares mais calmos para chegar e assim poder se acostumar com o agito. Que tal chegar mais cedo naquela festinha e evitar que ele “congele” ao ver o salão lotado?
  • Não subestime os sentimentos e emoções dele, mostre que você está ali e que compreende que ele esteja desconfortável. Mas quando perceber que ele está se aproximando para interagir com os demais, reforce o esforço dele, incentivando e elogiando sobre o quanto ele está se divertindo.
  • Quando chegar a locais que precise explicar porque seu filho está escondido atrás de você, procure tranquilizar os envolvidos explicando “Não precisa se preocupar, estamos conhecendo o lugar e daqui a pouco já conversamos com você”, ao invés de reforçar o rótulo de tímido, deixando a criança ainda mais envergonhada.

A maioria das crianças tímidas não precisará de uma intervenção profissional para que consiga se desenvolver, porém caso houver significativas e persistentes perdas por conta dela, tais como: isolamento na escola, dificuldade de aprendizagem, dificuldade em permanecer e interagir com crianças e adultos na ausência dos pais, choro excessivo, é importante que os pais procurem por uma orientação profissional.

Acompanhe quinzenalmente nossa coluna aqui no A Mãe Coruja e nos envie suas dúvidas!

Beijos

NATANA CONSOLE - PAOLA RICHTER - PSICÓLOGAS - PSICOLOGIA INFANTILNatana Consoli é psicóloga e psicoterapeuta de adultos, casais e família e Paola Richter é psicóloga e psicoterapeuta de crianças e adolescentes. Ambas trabalham fazendo avaliação psicológica e prestando avaliação em instituições de educação infantil. Siga  as duas através de sua fanpage no Facebook e no Instagram, acompanhe diversas dicas e tire suas dúvidas.

Author: Paola Richter e Natana Console

Natana Consoli é psicóloga e psicoterapeuta de adultos, casais e família e Paola Richter é psicóloga e psicoterapeuta de crianças e adolescentes. Ambas trabalham fazendo avaliação psicológica e prestando avaliação em instituições de educação infantil.

Share This Post On

Deixe uma resposta