Home | Sobre o Blog | Na Midia | Contato

Colar de âmbar: o que é e para que serve?

COLAR DE ÂMBAR - COLAR PARA CRIANÇAS

Já ouviu falar dos benefícios que o colar de âmbar tem? Quer saber mais sobre ele?

Se você é mãe ou está grávida provavelmente já ouviu falar do famoso colar de âmbar, que ficou conhecido no Brasil quando famosas como Gisele Bundchen, Barbara Borges e Regiane Alves apareceram na mídia com seus filhos usando.
Então você deve estar ao pensando poxa, mas se a Gisele Bundchen usa na filha, o negócio deve ser bom mesmo né? rs  Calminha ai, primeiro vamos descobrir o que é esse tal de colar de âmbar e para que ele serve, antes de sairmos por ai comprando e usando nos nossos filhos!

O que é o colar de âmbar?

O âmbar é uma resina vegetal, seiva de árvores pré-históricas, que se tornaram fóssil a mais de 50 milhões de anos. São encontrados principalmente nas praias da Costa Báltica especialmente depois de tempestades, pois o âmbar bóia em água salgada.

Para que serve o colar de âmbar e como ele age?

O âmbar tem sido usado a anos como remédio natural para aliviar dores, desconfortos e inflamações. Em contato com a pele o âmbar libera o acido succínico, essa é sua sustância benéfica, que é absorvida pela pele em minúsculas quantidades, estudos confirmam que ela tem poder anti-inflamatório, analgésico e auxilia na imunidade do organismo. Tornando o âmbar um remédio natural.

O colar é seguro?

Especialistas alertam para o risco de sufocamento para o uso do colar, mas é importante lembrar que o colar de âmbar deve seguir as normas europeias de segurança que foram criadas para que o mesmo fosse usado exclusivamente em bebês e crianças. Mas se você não se sentir segura em usar o colar no seu bebê, ainda é possível usar as pedras do âmbar em pulseiras ou tornozeleiras.

Veja algumas recomendações na hora de adquirir e usar o colar:

  • As contas do colar devem ser atadas com nós separados, caso o colar se quebre, apenas uma conta será solta e não todas.
  • O colar deve ser o de âmbar báltico verdadeiro, pois eles são atóxicos e não apresentam risco para a criança.
  • As contas devem ser pequenas, para que não apresentem risco de asfixia.
  • O colar deve ter entre 30 e 32cm para que não fique nem muito curto e nem muito longo.
  • Na hora do banho é recomendado que se retire o colar, para evitar o desgaste do cordão.
  • Recomenda-se tirar para dormir.
  • Evite que a criança leve o colar até a boca.
  • O fecho de encaixe recomendado é o que se abre quando uma força excessiva é aplicada a ele

Como saber se o âmbar é verdadeiro:

Existem alguns testes que você pode fazer em casa para comprovar sua autenticidade, veja abaixo:

  • Coloque uma ou duas gotas de acetona ou álcool em uma das contas do colar. O copal e o plástico (réplicas do âmbar) não toleram solventes. Se a superfície ficar viscosa, pegajosa ou alterar a cor mel, não é âmbar.
  • O âmbar bóia na água salgada. Misture 1 parte de sal com 2 partes de água e dissolva completamente o sal. Coloque uma peça de âmbar na mistura. Plástico e copal afundarão enquanto o âmbar flutuará.
  • O âmbar é morno ao toque, as imitações em vidro, por exemplo, serão sempre mais frios que a pele, e tem eletricidade estática.

Minha experiência com o colar de âmbar:

A pouco tempo recebi dois colares de âmbar para usar com as crianças, confesso que sempre tive muita curiosidade em experimenta-los e saber se realmente funcionam. Clara tem 5 anos e já passou da fase de dentição, que é o principal motivo para as mães adquirirem o colar ou pulseira, e Caio está com 2 anos, ainda tem molares nascendo, o que notei é que desta vez ele continuou a se alimentar normalmente, não houve febre e nem diarreia. Claro que eu não posso afirmar que o colar foi o principal motivo para isto, mas prefiro acreditar que sim. Sem contar gripes e tosses que até agora, mesmo com a instabilidade do tempo, ainda não chegaram por aqui.

Os dois se adaptaram muito bem ao colar, no primeiro dia, ficaram mexendo e pediram pra tirar, mas no dia seguinte notei que sequer notavam que estavam usando o colar. Eles já entendem que não devem levar o mesmo a boca.

E sobre a segurança, desde que coloquei o colar nas crianças não tive nenhum tipo de problema, ele nunca enroscou em nada, as crianças nunca reclamaram dele estar apertado ou largo demais e o fecho é bem seguro.

Beijos

fonte: Aqui

Autor (a): Débora Nunes

idealizadora do amaecoruja.com, 30 anos, mãe da Clara, do Caio e agora grávida da Olívia! Entusiasta da maternidade real acredita que toda mãe deve se dedicar aos seus filhos sem deixar seus demais papéis (mulher, profissional, esposa, amiga, filha...) de lado.

Deixe uma resposta